Refinanciamento Hipotecário, uma alternativa para concorrer a melhores taxas de juros

Muitas pessoas pensam que, ao assinar um crédito hipotecário com uma instituição financeira, não têm mais opção de ficar com o produto durante o tempo de prazo acordado, que são normalmente entre 15 e 30 anos. Mas felizmente, isso não é assim, e sempre existe a possibilidade de buscar a melhor alternativa de taxa que possa influenciar um menor custo de dividendo, quer que tenhamos obtido o crédito hipotecário há um mês ou 10 anos.
Se faltam poucos anos para quitar a dívida, você é investidor e pode negociar com os bancos ou mutuarias por volume, ou simplesmente quando tirou esse crédito não pode ter acesso a uma boa taxa, refinanciar sua hipoteca é uma opção muito atraente pensando no custo final, sempre e quando as taxas estão caindo e você encontrar uma oferta melhor do que já tem.
“O refinanciamento é o de modificar as condições atuais de seu crédito, de acordo com as suas necessidades, para aceder a melhores custos financeiros, seja reduzindo os prazos ou quotas mensais, por exemplo, de 20 a 15 anos, o que poderia aumentar ou não o valor do dividendo, tudo vai depender da taxa que obtiver, ou reduzir o dividendo mas estendendo os anos. Esta última alternativa não é a mais apropriada, já que a ideia é que refinancies em um bom momento econômico, e não quando você não puder pagar, para, assim, ter liberdade financeira em uma idade adiantada, e não aos 65 anos”, explica Cristian Lecaros, CEO de Investimento Fácil.
Outra recomendação é a de fixar-se este novo hipotecário me dá a possibilidade de “prepagar” dividendos dependendo de como esteja o meu fluxo mensal, sem os custos que isso significa e para diferentes períodos de tempo, por exemplo, se eu tiver mais dinheiro, pré-pago dividendos a 8 anos, e se eu estou passando por um período de escassez econômica, o pagamento a 30 anos.
Sempre é bom citar os seguros associados, como o de incêndio e sismo com outro operador, mas, neste caso, há que ter em conta que, se são acoplados em outra instituição, paga-se o ano inteiro do produto.
Quando refinanciar um crédito hipotecário, você está adquirindo um “novo” crédito, portanto, ao avaliar esta possibilidade, deverá assumir as despesas operacionais, uma vez mais, como:
Atualização do estudo de títulos
Rascunho da redação
Despesas de cartório
Inscrição no conservador de imóveis
Se o seu banco lhe oferece melhores taxas, e refinancias com eles, você também deve incorrer nestes custos operacionais, incluindo a fixação do preço da propriedade, mas, você economiza o estudo de títulos, porque eles já possuem. Portanto, considera-se também que este processo dura cerca de 90 dias, o que, provavelmente, você poderia estar pagando os 2 créditos em paralelo.
Como em todo hipotecário, sempre o mais importante é ser contada em diferentes bancos ou mutuarias. E como se trata de uma dívida tão pessoal, é difícil que o executivo de nosso banco, nos esteja avisando melhores ofertas e / ou taxas, por isso é importante que seja um que ligue, confira e fique atento às variações do mercado. Uma boa alternativa para administrar suas propriedades e fazer este trabalho de procurar melhores taxas realiza o Investimento Fácil, que projetou um modelo ideal para quem não tem todos os conhecimentos do mundo imobiliário e não possuem o tempo necessário para se dedicar a conseguir melhores ofertas.
“O importante é ver se a minha nova alternativa de custo financeiro vai ser uma poupança ou não, já que você pode levar 5 anos com esse crédito, mas tem uma taxa tão baixa que não é possível encontrar uma instituição que se a melhorar, por isso não te convém fazer a mudança. Além do tempo da dívida é ver o custo financeiro”, garante Lecaros.
O especialista de Investimentos Fácil recomenda a alternativa do refinanciamento “para todos aqueles que têm a habitação própria, sejam apartamentos ou casas, é um exercício que deve fazer, porque até o momento há taxas muito atraentes”, conclui.

Posted in Sem categoria